Preconceito Literário

Olá, meu povo, como estamos? Hoje vou falar sobre preconceito literário. Pois é, o preconceito existe até no mundo literário e muito provavelmente você já cometeu (ou ainda comete) e nem sabe…

wallpaper_livros_007

“Mas Hanna, como vou reconhecer o preconceito literário?!” Então, sabe quando você não curte um gênero literário e passa longe dele? Até aí, é questão de gosto… Eu sempre falo lá no Mundinho que você tem que encontrar o gênero literário certo, aquele que vai te abraçar e não te largar mais, aquele com o qual você não sabia por que viveu até aquele momento sem ter lido nada do tipo. Esse seu gênero favorito é o que te deixa mais confortável e te instiga a ler mais, pois se sente tão confortável que os livros passam a ser seus amigos e você chora e sofre horrores quando ele acaba. E quando você encontra pessoas com o mesmo gosto literário, minha nossa! O mundo se abre para você, pois sabe que vai ter com quem conversar sempre sobre aquele personagem (já que ele também vai saber do que se trata)…

Acontece que, do mesmo jeito que você tem um gênero literário favorito, vai ter aquele que você odeia com todas as suas forças, aquele pelo qual você passa direto nas livrarias sem nem olhar para os lados para não perder seu tempo… Até aí, não falei nada de mais, certo? Afinal, é questão pura e simplesmente de gosto. Ai de nós se todos tivessem o mesmo gosto para tudo nesse mundo! Seria um mundo muito chato, por isso apoio as diferenças! =)

Maaaaaas, o preconceito entra quando você passa a impor o seu gosto literário como o único certo. “Caramba Hanna, as pessoas se preocupam com o que as outras leem?! Sério isso?!” Sim! Elas perdem tempo prestando atenção ao que você lê, e ainda te criticam se for algo diferente do que elas curtem…

É… estou falando das pessoas que se acham cultas só porque passam suas vidas lendo livros técnicos ou de grandes autores eruditos e acham o fim do mundo pessoas que curtem ler outras coisas além disso… Ou daquele grupinho que te olha torto por causa do livro que carrega consigo… ou se não carrega nenhum…

Está começando a ser familiar para você? Já teve algum livro que você queria muito ler, mas seus próximos olhavam torto para você? Já teve algum livro que você não curtia e também por isso olharam torto para você? Então sim meu amigo… você sofreu preconceito literário…

O preconceito literário é um preconceito assim como os outros tipos que vemos por aí. E ler determinado gênero literário não te faz culto, devasso ou qualquer coisa do tipo… Li uma frase num outro blog que dizia:

“Ler não é garantia de cultura e maturidade.”

E realmente não é. O fato de você ler livros clássicos dos maiores monstros da literatura mundial não te fazem mais inteligente que uma pessoa que mal sabe ler e conta com a sabedoria popular para viver. Assim como você gostar de ler apenas livros “famosinhos” não te deixa burro e seguidor de modinha.

Engraçado como isso acontece e muito aqui no Brasil, um país onde se diz que os leitores são poucos. Livros são caros e, na nossa atual situação, estão quase virando artigo de luxo. Apesar de campanhas e mais campanhas para o brasileiro ler, ainda ver tanto preconceito por parte de população com rótulos de “o que a sociedade vai pensar de mim lendo algo do tipo?” é algo assustador! Mas as pessoas se esquecem que gêneros literários foram feitos para demonstrar um protesto contra um movimento da época, ou para deixar o leitor com a opção de como embarcar no “mundo mágico das letras impressas”, não para rotular pessoas.

Então, pense que você não gostaria que te rotulassem também pelo livro que lê, então não faça com o coleguinha o que não deseja que faça com você. Por isso, respeite o gosto literário das pessoas e não as critique pelos livros que elas leem. Apenas respeite as diferenças de leitura e seja feliz com a sua. =)

Até mais!

Hanna Carolina.

 

Foto e foto de capa sob licença Creative Commons

14 comentários em “Preconceito Literário”

  1. Ah, minha cara, eu já senti na pele esse tal preconceito porque leio livros que eu gosto e não tenho vocação para as leituras do momento. Se está no TOPO dos mais lidos, eu fujo. Deixo para depois.
    Amo meus russos, adoro meus franceses e alguns ingleses.
    Já estou velha demais para ler o que os outros acham que eu devo ler. Durante anos tentei ler Ulisses e não conseguia. Todo mundo dizia adorar e eu odiava. Tentei várias vezes e desisti e foi justamente o que me ajudou a compreender que não preciso ler tudo, apenas o que gosto e estou feliz assim. Não gosto. Não leio e dificilmente indico o que ler. Ms uma coisa me incomoda, o sistema de ensino brasileiro obrigar a leitura do que eles consideram clássicos. Gente, ler Machado de Assis aos treze anos é de uma insensatez. aff

    bacio

    Ps. Adorei o post

    Curtido por 1 pessoa

    1. Oi Lunna, a Literatura Brasileira tem clássicos, assim como qualquer país tem o seu… rsrsrs Por isso faz parte do PNLD ter no Ensino Médio, mas o professor decide como vai abordar o assunto. Eu, por exemplo, não fui obrigada e ler todos. Minha professora na época foi até tranquila nessa parte; vimos mais as revoluções da época e os autores representantes de cada estilo, mas ela só passou um de nossa escolha para ler. Acho que isso vai de cada professor… rsrs
      Mas concordo que tem livros desgastantes dentre eles e ser forçado a ler piora ainda mais a situação. Acho que os professores poderiam ser mais tranquilos como a minha foi e assim, quem sabe, o preconceito literário diminuísse um pouco… Afinal, são esses o representantes da nova geração que deveria ser leitora… rsrs
      Obrigada pela visita! =)

      Curtir

      1. Sim, minha cara… eu nada tenho contra os clássicos. Adoro os russos, por exemplo. Mas aqui em São Paulo, a maioria das escolas tem bibliotecas e bibliotecários que são orientados a indicar apenas os clássicos da literatura brasileira, o mesmo acontece com os professores. Já vi meninas de 13, 14 e 15 anos a bufar para Dom Casmurro e cia. E já ouvi reclamações sobre não entender o livro e buscar resenhas/filmes e a conclusão que mais ouço ‘ler é um porre’.
        Trabalhei com algumas pessoas num grupo de leitura a respeito, numa tentativa de descobrir ritmo do leitor e ficaram impressionadas consigo mesmas. Mas já vi pessoas usarem capas em seus livros, para proteger suas leituras de críticas. Policiamento no livro alheio é muito chato. rs

        Curtido por 1 pessoa

  2. AMEI!!!! Estou te aplaudindo de pé, inclusive quero muito compartilhar sua publicação.
    É um saco quando rotulam uma pessoa pelo o que ela lê. E um saco quando te julgam pelo que você lê. Parece que você é um E.T ou algo assim.
    As pessoas precisam entender que cada um tem seu gosto e isso não é motivo delas lerem sempre o mesmo que o próximo.
    Beijo

    Curtido por 1 pessoa

  3. Oi, adorei a sua postagem! Inclusive até compartilhei na minha fanpage.
    Adorei como você abordou o assunto e tenho que super concordar, isso acontece muito!!!
    Estou aplaudindo de pé a sua postagem!
    Beijos,
    Coração de Leitora

    Curtido por 1 pessoa

  4. “Ler não é garantia de cultura e maturidade.” Com certeza, não é mesmo! Já conheci muita gente culta e imatura e não culta, mas com muita maturidade. Cada um escolhe o que gosta de ler. Sabe um livro que nunca consegui ler, apesar de já ter tentado algumas vezes? O Pequeno Príncipe. Até já pincei frases do livro, mas não consigo lê-lo inteiro. Não tem jeito. Bjs, querida!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Isso mesmo Quel, não é porque o mundo fala que você tem que ler esse livro, que você precisa ler e gostar ainda por cima. Muita gente não consegue mesmo ler O Pequeno Príncipe apesar de ele ser considerado um clássico. Mas acontece… tem tantos clássicos que não suporto também, e isso não é um rótulo para ninguém… rs
      Bjks e obrigada pela visita!

      Curtir

  5. Post maravilhoso.!! Cada tem seu gosto e não é certo que fiquemos julgando os outros achando que aquilo que gostamos é melhor. Sobre clássicos, eu sempre me pergunto o que são clássicos. Os livros atuais não podem se tornar clássicos depois? Afinal, são obras que resistem ao tempo. Dizer que leu pq é modinha é quase que mentira, até pq hoje em dia há uma diversidade de gêneros infinita, o que acaba por acontecer que aquele livro vai ser famoso no seu meio. Por exemplo: uma pessoa que não curte chick-lit provavelmente não vai fazer ideia de quem seja Sophie Kinsella, e ela é beeem famosa. Certa vez me perguntaram, pra vc ter uma ideia, quem era a Meg Cabot rs.
    Certa vez fui vitima desse preconceito por gostar de HP, a pessoa me tratou como idiota, alegando que eu era do tipo obcecada por cultura de massa, o que não é bem verdade, mas e se fosse? Lembro de ter dito ao individuo que todos temos direito ao lazer, se eu gosto de ler para passar o tempo, escolho logo uma prazerosa. E por falar em HP, é fato que já virou um clássico na literatura mundial, com certeza as crianças mais tarde irão estudar o fenômeno nas escolas. A série foi super importante para a história da Literatura, e sei disso pq vivi nessa época (orgulhinho). E mais, se vc for parar pra pensar, Machado de Assis foi modinha na época dele, por exemplo. E aí? Mas ele pode ler né?
    Sinceramente, acho que cada um deve ler o que quiser e tirar bom preveito daquilo que leu. O livro faz sentido quando mexe com vc, é uma obra de arte como as outras. E isso aprendi tanto na prática quanto na faculdade.
    Acho que falei demais, sorry
    Bjs flooooor

    http://cariocadointerior.com.br/index.php/2017/09/11/tag-perguntas-literarias-video-no-canal/

    Curtido por 1 pessoa

  6. OI, Hanna!

    Seu artigo é muito pertinente, pois, há alguns anos, eu voltei com força a integrar esse ambiente literário, principalmente de blogs e outras redes sociais voltadas à leitura.
    Dá pra notar que alguns desses grupos se consideram muito cultos e inatingíveis. Eu acho isso uma chatice, pois acredito que a gente não pode medir a sabedoria de ninguém pelo tipo de leitura que a pessoa faz. Até porque, tanta gente lê e nem entende as coisas que escolhe para ler, apenas lê e não tem uma visão crítica sobre o assunto. Também, até mesmo quem tem uma visão crítica, pode rotular os outros e diminuir as pessoas porque ao invés dos clássicos, os russos, os “seja-lá-o-que-for”, a pessoa gosta de ler Chick-lit, por exemplo.
    Acho que a leitura deve aproximar as pessoas, não afastá-las em castas, como acontece em outros horizontes. Se você tem mais cultura porque lê algo mais elaborado, sua função é multiplicar essa leitura com pessoas que não a conhecem, sem diminuir outro tipo de literatura. Quando você fecha as portas para outras pessoas, acho que você afasta essas pessoas de querer experimentar o que você lê e cria uma barreira muito grande.
    Pelo menos os livros, nós temos o direito de escolher, não temos???
    Um abração!
    Drica.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Sim!!!!!!!!!! Temos total direito de escolher o que iremos ler Drica! E vamos lutar contra o preconceito literário e contra essa separação em castas, que não deveria existir nunca!

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s